O que é espasticidade?

A espasticidade é um efeito colateral da paralisia que varia de rigidez muscular leve a movimentos severos e incontroláveis das pernas. Geralmente, os médicos agora chamam as condições de hipertonia espástica por tensão muscular extrema (SH). Pode ocorrer em associação com lesão medular, esclerose múltipla, paralisia cerebral ou trauma cerebral.

Os sintomas de espasticidade podem incluir aumento do tônus muscular, contrações musculares rápidas, reflexos exagerados dos tendões profundos, espasmos musculares, tesouramento (cruzamento involuntário das pernas) e articulações fixas.

Quando um indivíduo é lesionado pela primeira vez, os músculos ficam fracos e flexíveis devido ao chamado choque espinhal: os reflexos do corpo ficam ausentes abaixo do nível do ferimento; essa condição geralmente dura algumas semanas ou vários meses. Quando o choque espinhal termina, a atividade reflexa retorna.

O que causa espasticidade na paralisia?

A espasticidade é geralmente causada por danos na parte do cérebro ou medula espinhal que controla o movimento voluntário.

Como o fluxo normal das mensagens nervosas abaixo do nível da lesão é interrompido, essas mensagens podem não atingir o centro de controle reflexo do cérebro. A medula espinhal então tenta moderar a resposta do corpo.

A medula espinhal não é tão eficiente quanto o cérebro; portanto, os sinais que são enviados de volta ao local da sensação geralmente são exagerados em uma resposta muscular hiperativa ou em hipertonia espástica: um movimento incontrolável de "empurrão", enrijecimento ou fortalecimento dos músculos, contrações semelhantes a choques de um músculo ou grupo de músculos e tônus anormal nos músculos.

A maioria das pessoas que vivem com lesão medular tem alguns espasmos. Pessoas com lesões cervicais e pessoas com lesões incompletas são mais propensas à espasticidade do que aquelas com paraplegia e/ou lesões completas.

Os músculos mais comuns que causam espasmo são aqueles que dobram o cotovelo (flexor) ou estendem a perna (extensor). Esses reflexos geralmente ocorrem como resultado de uma resposta automática a sensações dolorosas.

Embora a espasticidade possa interferir na reabilitação ou nas atividades da vida diária, nem sempre é uma coisa ruim. Algumas pessoas usam seus espasmos para funcionar, esvaziar a bexiga, transferir-se ou vestir-se. Outros usam eles para manter os músculos tonificados e melhorar a circulação. Eles também pode ajudar a manter a força óssea. Em um grande estudo sueco de pessoas com LME, 68% apresentavam espasticidade, mas menos da metade deles disse que sua espasticidade era um problema significativo que reduzia as atividades da vida diária ou causava dor.

Tratamento e controle da espasticidade

Uma mudança na espasticidade de uma pessoa é algo a se prestar atenção. Por exemplo, o aumento do tônus pode ser o resultado de um cisto ou cavidade na medula espinhal (siringomielia pós-traumática). Se não forem tratados, os cistos podem levar a mais perda de função. Problemas fora do sistema nervoso, como infecções da bexiga ou feridas na pele, podem aumentar a espasticidade.

O tratamento da espasticidade geralmente inclui medicamentos como baclofeno, diazepam ou zanaflex. Algumas pessoas com espasmos graves utilizam bombas de baclofeno recarregáveis, que são pequenos reservatórios implantados cirurgicamente que aplicam o medicamento diretamente na área de disfunção da medula espinhal. Isso permite uma concentração mais alta do medicamento sem os efeitos colaterais usuais de uma alta dosagem oral.

A fisioterapia, incluindo alongamento muscular, exercícios de amplitude de movimento e outros esquemas de fisioterapia, pode ajudar a prevenir contraturas nas articulações (encolhimento ou encurtamento de um músculo) e reduzir a gravidade dos sintomas.

Postura e posicionamento adequados são importantes para pessoas em cadeiras de rodas e pessoas em repouso na cama para reduzir espasmos. Órteses, como aparelhos nos tornozelos e pés, às vezes são usadas para limitar a espasticidade. A aplicação de frio (crioterapia) em uma área afetada também pode acalmar a atividade muscular.

Por muitos anos, os médicos usaram bloqueios de nervos fenólicos para amortecer os nervos que causam espasticidade. Ultimamente, um bloqueio nervoso melhor, porém mais caro, a toxina botulínica (Botox), tornou-se um tratamento popular para espasmos. Uma aplicação de Botox dura cerca de três a seis meses; no entanto, o corpo cria anticorpos para a droga, reduzindo sua eficácia ao longo do tempo.

Às vezes, a cirurgia é recomendada para liberação do tendão ou para romper a via nervo-muscular em crianças com paralisia cerebral. A rizotomia dorsal seletiva pode ser considerada se os espasmos interferirem na sessão, no banho ou nos cuidados gerais.

A espasticidade vem de brinde para muitas pessoas que estão paralisadas. A estratégia de tratamento deve ser baseada na função de alguém:

  • A espasticidade está impedindo você de certas atividades?
  • Existem riscos de segurança, como perder o controle ao dirigir sua cadeira elétrica ou carro?
  • Os medicamentos para espasticidade são piores que os sintomas, afetando a concentração ou a energia?

Verifique com seu médico para discutir suas opções.

Recursos sobre espasticidade

Para obter mais informações, baixe nosso livreto em Controle da espasticidade.

Fontes: The National Institute of Neurological Disorders and Stroke, National Multiple Sclerosis Society, United Cerebral Palsy Association, The National Spinal Cord Injury Statistical Center, Craig Hospital

Download the Reeve Foundation's Paralysis Resource Guide
We are here to help

Our team of Informational Specialists has the ability to respond to inquiries and provide information in over 170 languages.

Please call 800-539-7309

(International callers use 973-467-8270)

Monday-Friday from 9:00am-8:00pm ET or send your question.