fbpx

​SCI Ventures: A New Era of Spinal Cord Injury Scientific Innovation 

Connect

Derrame (AVC)

O que é um AVC?

Quando algo acontece com o fluxo sanguíneo no sistema nervoso central, ocorre um acidente vascular cerebral (AVC) ou derrame. O AVC ocorre mais freqüentemente no cérebro, mas, muito raramente, também pode ocorrer na medula espinhal. Um acidente vascular cerebral ocorre quando há uma alteração no fluxo sanguíneo no sistema nervoso central (SNC) devido a danos em um vaso sanguíneo, ruptura do vaso sanguíneo ou algo que interrompe o fluxo sanguíneo, como um coágulo ou êmbolos (glóbulo de gordura ou outro material ou uma bolha de ar). A diminuição do fluxo sanguíneo no SNC também pode levar a um derrame.

Uma pessoa com perda de fluxo sanguíneo para o coração está tendo um ataque cardíaco. O mesmo processo pode ocorrer no sistema nervoso central, na medula espinhal, no cérebro ou em ambos. Pode-se dizer que uma pessoa com perda de fluxo sanguíneo na coluna ou no cérebro, ou um sangramento repentino na coluna ou no cérebro, está tendo um “ataque na coluna” ou “ataque no cérebro”.

Existem dois tipos principais de acidente vascular cerebral:

  • O AVC isquêmico ocorre devido a uma obstrução (coágulo ou êmbolos) dentro de um vaso sanguíneo que fornece sangue ao cérebro ou à medula espinhal. As obstruções normalmente resultam de placas que se acumulam nos vasos sanguíneos, que se desalojam e se dirigem ao SNC. Um coágulo ou êmbolo normalmente se origina no coração, aorta ou artérias carótidas e corre para o SNC, onde geralmente não consegue passar pelos minúsculos vasos sanguíneos. Isso interrompe o fluxo sanguíneo para a parte afetada da medula espinhal ou do cérebro, levando ao derrame. Um AVC isquêmico de causa desconhecida é denominado AVC criptogênico.
    • Um ataque isquêmico transitório (AIT), às vezes chamado de mini AVC, é um tipo de episódio isquêmico que se resolve em 24 horas. Um AIT é uma indicação de que um ataque pode ocorrer. Pode ser um sinal de aviso de AVC.
  • Os AVC hemorrágicos resultam de um vaso sanguíneo que se rompe e sangra para o cérebro ou medula espinhal circundante. A origem deste tipo de acidente vascular cerebral é hipertensão, aneurisma, malformação arteriovenosa (MAV) ou distúrbio hemorrágico.
  • Uma malformação arteriovenosa é um sangramento que ocorre onde uma artéria encontra uma veia. O alinhamento da artéria em transição para uma veia está desalinhado. Podem ocorrer em qualquer parte do corpo, mas são especialmente prejudiciais quando no SNC (cérebro ou medula espinhal). MAVs estão presentes no nascimento. A maioria passa despercebida sem problemas, a menos que se rompam.

Quando ocorre um AVC, as células nervosas, na área afetada, do SNC não podem funcionar devido à falta de oxigênio. O tecido circundante pode ser afetado por um aumento do inchaço na área. A medula espinhal e o cérebro estão contidos em ossos rígidos, por isso o inchaço é reduzido. Portanto, a pressão dentro do SNC comprimirá o tecido nervoso mole.

O AVC da medula espinhal resultará em paralisia completa (-plegia) ou incompleta (-paresia) em ambos os lados do corpo, dependendo do nível de lesão na medula espinhal. A tetraplegia ou tetraparesia envolve o corpo e os quatro membros. A paraplegia ou paraparesia envolve a parte inferior do corpo. Os efeitos de um derrame da medula espinhal podem incluir alteração na mobilidade e função. Os medicamentos anticoágulos não parecem ser eficazes no tratamento do AVC da medula espinhal.

O AVC cerebral pode afetar o corpo inteiro, incluindo paralisia ou paresia (paralisia parcial), déficits cognitivos e de memória, problemas de fala e visuais, dificuldades emocionais, desafios diários e dor. A paralisia é um resultado comum do AVC, geralmente em um lado do corpo (hemiplegia). A paralisia pode afetar apenas o rosto, um braço ou uma perna, mas na maioria das vezes, um lado inteiro do corpo e rosto são afetados. Uma pessoa que sofre um derrame no hemisfério esquerdo (lado) do cérebro apresentará paralisia do lado direito ou paresia. Da mesma forma, uma pessoa com derrame no hemisfério direito (lado) apresentará paralisia no lado esquerdo do corpo.

O AVC do tronco cerebral (a conexão entre a medula espinhal e o cérebro) é um pouco singular, pois os sintomas são vertigem e tontura, juntamente com desequilíbrio extremo. Visão dupla, fala arrastada e diminuição do nível de consciência podem estar presentes. O AVC do tronco cerebral muitas vezes se parece com outras doenças neurológicas. O diagnóstico deve ser feito precocemente para o benefício do tratamento.

Fatores de risco e sintomas

Os fatores de risco de AVC são divididos por aqueles que você não pode controlar e aqueles que você pode. Se você tiver fatores de risco incontroláveis, faça o melhor para controlá-los para reduzir o risco.

Os fatores de risco incontroláveis são aqueles que são herdados e algumas doenças pré-existentes. Estão incluídos: idade, sexo, raça, genética e história de um AIT anterior, derrame ou ataque cardíaco. Pessoas de todas as idades sofrem acidentes vasculares cerebrais, desde recém-nascidos até idosos. No entanto, à medida que você envelhece, o risco de acidente vascular cerebral aumenta devido a alterações no corpo, como perda de elasticidade da artéria (aterosclerose). Nas mulheres correm maior risco de derrame simplesmente porque vivem mais que os homens. O início do AVC nas mulheres pode ocorrer nos últimos anos de vida. Complicações na gravidez, alguns métodos anticoncepcionais e hormônios pós-menopausa aumentam o risco de derrame. A genética inclui histórico familiar de derrame ou doenças genéticas que podem aumentar o risco de derrame. Uma pessoa que teve um ataque cerebral, como um AIT ou derrame, corre um risco muito maior de sofrer um segundo.

Existem muitos fatores que você pode controlar para diminuir o risco de acidente vascular cerebral. Você pode reduzir muito o risco de acidente vascular cerebral controlando doenças que aumentam o risco. Essas doenças incluem pressão alta, diabetes, obesidade, colesterol alto, doença da artéria carótida, doença vascular periférica, fibrilação atrial e outras doenças cardíacas e doença falciforme. Muitos desses fatores de risco podem ser controlados adotando uma dieta saudável e medicamentos prescritos. A atividade em sua vida também ajudará a reduzir o risco. Parar de fumar, usar álcool e drogas recreativas podem reduzir significativamente o risco de derrame.

Se você tiver um derrame na medula espinhal ou outra lesão na medula espinhal, a complicação da Disreflexia Autonômica (DA) aumenta o risco de um derrame cerebral. A DA é uma emergência médica em que a pressão arterial se torna elevada em níveis excessivos em comparação com a pressão normal do indivíduo. Com o tempo, um indivíduo com lesão na medula espinhal apresentará pressão arterial baixa, como normal. Uma elevação para um intervalo normal, pode indicar pressão alta nesta pessoa. Mais informações sobre disreflexia autonômica estão disponíveis aqui.

Alguns procedimentos médicos apresentam risco de acidente vascular cerebral ou medula espinhal, como cirurgia de ponte de safena, aneurisma da aorta abdominal aberta, cirurgia da coluna ou remoção de coágulo nas artérias espinhais. O risco de AVC aumenta com qualquer cirurgia, teste ou procedimento que possa criar ou desalojar um coágulo sanguíneo.

Sintomas de AVC

AVC na medula espinhal

O AVC na medula espinhal apresenta sintomas pouco claros. Os sinais de um derrame da medula espinhal podem ser confundidos com outras doenças. Um ou mais sintomas podem aparecer. Os sintomas de um derrame na medula espinhal são:

  • dor súbita e intensa no pescoço ou nas costas
  • fraqueza muscular nas pernas
  • problemas de controle do intestino e da bexiga (incontinência)
  • sensação de que há uma faixa apertada ao redor do torso
  • espasmos musculares
  • dormência
  • sensações de formigamento
  • paralisia
  • incapacidade de sentir calor ou frio

Perceber um derrame na coluna pode ser difícil. Você pode ter um, ou vários sintomas. É importante que você ligue para o número de emergência local (193) se aparecerem os sintomas de um derrame na medula espinhal.

AVC cerebral

Os sintomas de um acidente vascular cerebral incluem:

Queda facial que pode ser perceptível em um lado inteiro do rosto ou apenas no olho ou na boca

O indivíduo pode não ser capaz de levantar um braço tão alto quanto o outro, ou um braço pode cair.

A fala pode ser indistinta ou estranha, como o uso de palavras ou sons estranhos

O tempo é essencial, pois o tratamento deve começar imediatamente, ligue para o número de emergência local (193)

Você pode ter, alguns ou todos os sintomas. Você pode não perceber que está tendo os sintomas de um derrame. Outra pessoa pode notar esses sintomas. Certifique-se de anotar o tempo de início dos sintomas. Escreva ‘início: XXhXX da manhã ou da tarde’ em seu corpo, caso o AVC avance e você não consiga se lembrar ou falar quando a emergência chegar. Isso é fundamental para o tratamento.

Consequências do AVC

As consequências de um derrame dependem da localização da lesão na medula espinhal ou no cérebro.

Medula espinhal

O derrame na medula espinhal resulta em paralisia total ou parcial abaixo do nível da lesão, problemas intestinais e da bexiga, disfunção sexual, mobilidade e perda de sensibilidade. O resultado pode ser tetraplegia, paraplegia ou uma das síndromes da medula espinhal. As habilidades variam dependendo da localização do ataque na espinha.

Após um derrame na medula espinhal, alguns podem sentir dor, dormência desconfortável ou sensações estranhas. Isso pode ser devido a muitos fatores, incluindo danos à coluna, que podem interromper a comunicação de mensagens entre o corpo e o cérebro. O derrame da medula espinhal interrompe essas mensagens de acordo com o nível do derrame na medula espinhal.

Um derrame na medula espinhal pode levar à depressão devido aos desafios de uma doença crônica. A perda da função mental ou física pode ser assustadora. As mudanças no estilo de vida e na dinâmica familiar agravam o problema.

Cérebro

O derrame cerebral esquerdo pode resultar em paralisia total ou parcial do lado direito do corpo. Pode haver dificuldade em entender a fala ou palavras faladas, encontrar palavras ou uso incomum de palavras ou sons. O indivíduo é tipicamente cauteloso ou às vezes tímido em seu comportamento. Pode ocorrer a perda de memória.

As características do acidente vascular cerebral direito são paralisia total ou parcial no lado esquerdo do corpo. Frequentemente existem dificuldades em relação a visão, movimentos e pensamentos rápidos e impulsivos. A perda de memória pode ocorrer.

No derrame cerebral direito ou esquerdo, pode ocorrer uma perda no campo visual denominado hemianopsia. O indivíduo não fica cego, mas o campo visual é reduzido em ambos os olhos. Como consequência, em um lado ocorre a perda da visão . O lado onde ocorre a perda da visão, será o mesmo que o da paralisia do corpo. O indivíduo é incapaz de reconhecer em qual área ocorreu a perda da visão. Esse descuido pode causar danos ao lado negligenciado, até o ponto de eles não perceberem aquela parte do corpo como sua.

Tronco cerebral

O derrame cerebral têm sintomas de vertigem e tontura com desequilíbrio. As habilidades funcionais variam, o que pode levar à “síndrome do travamento”, em que a pessoa entende o que está acontecendo, mas não consegue responder fisicalmente ou verbalmente. A perda de memória pode estar presente.

Seu bem-estar mental pode ser afetado por um derrame. Dependendo da localização de um AVC no cérebro, você pode ter dificuldade em se lembrar, ser descuidado, irritado ou ter alguma confusão. Algumas pessoas podem rir ou chorar inadequadamente.

Tratamento e recuperação

A resposta apropriada a um acidente vascular cerebral é uma ação de emergência. Ligue para 193. Não tente dirigir sozinho nem deixe que alguém o leve ao hospital. A equipe de emergência pode iniciar o processo de recuperação. Cada minuto perdido, desde o início dos sintomas até o momento do contato de emergência, diminui o tempo de oportunidade para intervenção.

Devem ser tomadas medidas de prevenção de derrame para reduzir o risco de um ataque de coluna ou cérebro. Isso inclui as três principais prevenções; dieta, exercício, para de fumar. Outros fatores de risco que você pode controlar, devem ser modificados. A medicação também pode ajudar a reduzir o risco de derrame. Medicamentos para reduzir o colesterol, anticoagulantes e medicamentos antiplaquetários devem ser tomados conforme prescrito pelo seu médico.

O AVC isquêmico é tratado removendo a obstrução e restaurando o fluxo sanguíneo no cérebro. Isso é feito desubstruindo o vaso com o uso do medicamento, o ativador do plasminogênio tecidual (t-PA). A reversão do AVC isquêmico pode ser alcançada se o medicamento for administrada dentro de 6 horas do início dos sintomas. Quanto mais cedo o medicamento for administrado, melhor será o resultado. Hospitais especialmente chamados de Centros de Derrame têm avaliações simplificadas para que o t-PA possa ser administrado em tempo hábil. Você, ou alguém, deve saber o momento do início dos sintomas para poder receber o medicamento.

Antes do AVC hemorrágico, os médicos tentam prevenir a ruptura e o sangramento de aneurismas e malformações arteriovenosas. Se o vaso não tiver rompido, uma “gaiola” pode ser colocada ao redor do vaso para apoiar a área enfraquecida ou o vaso externo pode ser “cortado” e removido. Se o vaso já tiver rompido, a cirurgia pode ser realizada para remover o excesso de sangue da área, ou a área pode ser monitorada enquanto o corpo reabsorve o sangue extra naturalmente.

Enquanto isso, outras drogas neuroprotetoras estão sendo desenvolvidas para evitar a onda de danos após o ataque inicial. A remoção de placas e coágulos das artérias carótidas em um procedimento denominado endarterectomia carotídea, colocação de stents no pescoço e nos vasos sanguíneos do cérebro e medicamentos para afinar o sangue reduziram o risco de derrame ou, especialmente, um segundo derrame.

As diretrizes gerais de recuperação mostram:

  • 10% dos sobreviventes de AVC se recuperam quase completamente
  • 25% se recuperam com pequenas deficiências
  • 40% experimentam deficiências moderadas a graves que requerem cuidados especiais
  • 10% necessitam de cuidados em um lar de idosos ou outros cuidados prolongados
  • 15% morrem logo após o derrame

Reabilitação

A reabilitação começa imediatamente após um derrame na coluna ou cérebro e deve ser continuada conforme necessário após a alta hospitalar. As opções de reabilitação podem incluir a unidade de reabilitação de um hospital, uma unidade de atendimento sub-intensivo, um hospital de reabilitação, terapia domiciliar, atendimento ambulatorial ou atendimento de longo prazo em uma unidade de enfermagem. Sua capacidade de participar da terapia determinará o nível de atendimento apropriado para sua reabilitação. Seu profissional de saúde, gerente de caso ou assistente social na unidade de cuidados intensivos o ajudará a determinar o nível de atendimento apropriado.

O objetivo da reabilitação é melhorar a função para que um indivíduo possa se tornar o mais independente possível. Isso deve ser realizado de uma forma que preserve a dignidade enquanto motiva o indivíduo a reaprender habilidades básicas como comer, vestir-se e caminhar. A reabilitação aumenta a força, a capacidade e a confiança para que a pessoa possa continuar as atividades diárias, apesar dos efeitos do derrame.

As atividades podem incluir o seguinte:

  • Habilidades de autocuidado, como alimentação, higiene, banho e vestir
  • Habilidades de mobilidade, como transferir-se, caminhar ou mover-se uma cadeira de rodas
  • Habilidades de comunicação; habilidades cognitivas como memória ou resolução de problemas
  • Habilidades sociais para interagir com outras pessoas.
  • Terapia induzida por restrição
  • Estimulação elétrica funcional
  • Caminhada com suporte parcial de peso
  • Exercício baseado em atividades
  • Terapia aquática
  • Musicoterapia

Após o AVC, os indivíduos muitas vezes descobrem que tarefas antes simples em casa se tornam extremamente difíceis ou impossíveis. Muitos dispositivos e técnicas adaptáveis estão disponíveis para ajudar as pessoas a recuperar sua independência e funcionar com segurança e facilidade. A casa geralmente pode ser modificada para que o indivíduo possa gerenciar suas necessidades pessoais.

Uma abordagem chamada terapia baseada em movimento induzido por restrição (TIR) melhorou a recuperação em pessoas que perderam alguma função em um único membro. A terapia envolve a imobilização do membro não afetado do paciente para forçar o uso do membro afetado. Acredita-se que o TIR promova uma remodelação das vias nervosas ou plasticidade.

O avanço tecnológico proporcionou terapias que estão sendo incorporadas aos cuidados de reabilitação. Dispositivos eletrônicos que permitem a fala por meio de um ponteiro, movimento dos olhos ou mesmo ondas cerebrais estão disponíveis em muitas variedades que podem ser selecionadas para necessidades individuais específicas.

Terapias mais novas e avançadas foram adicionadas ao programa de reabilitação física para tratar o AVC. Eletrodos colocados na pele com o uso de estimulação elétrica podem fornecer dados aos nervos afetados no corpo. Máquinas que fornecem movimento repetitivo, como caminhada suportada por peso parcial, “luvas” que criam movimento das mãos e terapia baseada em atividade fornecem estimulação aos membros para o retorno da função. A terapia de espelho permite que o indivíduo olhe para o lado afetado de seu corpo para aprender a ganhar controle com o mesmo lado do cérebro. A terapia aquática permite que o corpo se mova usando a flutuabilidade da água. A musicoterapia conecta o ritmo ao movimento. Todos podem melhorar a recuperação do AVC.

A recuperação de um AVC pode levar algum tempo. No início, a recuperação pode parecer uma trajetória rápida conforme o inchaço e o trauma no cérebro se resolvem. Com o tempo, o retorno da função pode parecer lento, mas a recuperação ainda está ocorrendo. É um mito que o sistema nervoso central não tenta se recuperar. É um mito que as células nervosas com as quais você nasceu são as únicas que você terá.

O sistema nervoso é capaz de grandes melhorias. Ele quer se reparar e restaurar a função por meio de um processo chamado plasticidade. Novas células nervosas estão sendo desenvolvidas ao longo de sua vida. Acompanhar os exercícios em casa ajudará a continuar a melhorar, embora a um ritmo mais lento.

Fatos e números

O AVC é a quarta principal causa de morte do país e uma das principais causas de incapacidade grave e de longo prazo nos Estados Unidos. Há apenas alguns anos, era a terceira maior causa de morte. A taxa de sobrevivência está aumentando devido aos avanços nos tratamentos.

Estima-se que o derrame espinhal ocorra em 54 de 1 milhão de pessoas. O derrame espinhal é raro. Portanto, são fornecidas informações gerais sobre o AVC.

Aproximadamente 6 milhões de pessoas que sofreram derrame estão vivas hoje.

800.000 AVCs ocorrem nos Estados Unidos a cada ano.

87% dos derrames cerebrais são isquêmicos. 13% dos derrames cerebrais são hemorrágicos.

Indivíduos com fibrilação atrial (batimento cardíaco anormal) têm uma chance 5 vezes maior de acidente vascular cerebral.

O Dia Mundial do AVC é 29 de outubro.

Oitenta por cento dos derrames são evitáveis pelo controle da pressão arterial, colesterol e açúcar no sangue. Além disso, seguir uma dieta saudável, perder peso e ser ativo. Pare de fumar. Tome aspirina em baixa dosagem apenas se recomendado pelo seu profissional de saúde. (Tomar aspirina quando não for necessário pode prejudicar sua saúde de outras maneiras.)

Fonte: Ficha informativa da NIH

Pesquisa

Os avanços da pesquisa levaram a novas terapias e novas esperanças para as pessoas em risco ou que sofreram um derrame. Existem literalmente milhares de pesquisas conduzidas sobre vários aspectos do AVC. O estudo da prevenção do AVC, controle dos fatores de risco e tratamentos estão em andamento.

Os fatores incontroláveis que aumentam o risco de acidente vascular cerebral estão sendo estudados em laboratório. A terapia genética está sendo estudada para modificar esses fatores. Uma abordagem interessante é diminuir o fluxo sanguíneo para o cérebro, como fazem os animais que hibernam. Outra é usar hipotermia ou resfriamento extremo do corpo para reduzir a necessidade de fluxo sanguíneo. Na outra extremidade do estudo é aumentar o fluxo sanguíneo para o cérebro através da estimulação transcraniana, um dispositivo externo para aumentar o fluxo sanguíneo para a parte afetada do cérebro ou medula espinhal após um derrame.

Quando ocorre um derrame, algumas células da coluna morrem imediatamente; outras permanecem em risco por horas e até dias devido a uma sequência contínua de destruição.” Algumas células danificadas podem ser salvas por intervenção precoce com drogas neuroprotetoras. Essas drogas que funcionam de várias maneiras estão em testes clínicos.

Os ensaios clínicos estão em andamento. Estas são pesquisas realizadas com pessoas. O uso de stents nas artérias carótidas (bem como no coração) mostrou-se tão eficaz quanto a cirurgia. O tratamento médico de aspirina com e sem medicação antiplaquetária está sendo estudado como um tratamento para reduzir o risco de um segundo acidente vascular cerebral. Outros medicamentos para controlar a albumina e a glicose estão sendo estudados.

As células-tronco estão sendo estudadas como um possível tratamento para quase todos os diagnósticos. Esses estudos estão nas fases iniciais. Atualmente, não há cura para o derrame usando células-tronco.

Recursos e suporte para gerenciar AVCs

LEITURA ADICIONAL

Seção de sintomas de derrame-medular:

Hill VA, Towfighi A. Fatores de risco modificáveis para derrame e estratégias para prevenção de derrame. Semin Neurol. Junho de 2017;37(3):237-258. doi: 10.1055/s-0037-1603685. Epub, 31 de julho de 2017.

Alloubani A, Saleh A, Abdelhafiz I. Hypertension and diabetes mellitus as a predictive risk factors for stroke. (Hipertensão e diabetes mellitus como fatores de risco preditivos para derrame.) Diabetes Metab Syndr. Julho de 2018;12(4):577-584. doi: 0.1016/j.dsx.2018.03.009. Epub, 19 de março de 2018.

Seção resultados do derrame:

Hankey GJ. Stroke. (Derrame.) Lancet. 11 de fevereiro de 2017;389(10069):641-654. doi: 10.1016/S0140-6736(16)30962-X. Epub 13 de setembro de 2016.

Frolov A, Feuerstein J, Subramanian PS. Homonymous Hemianopia and Vision Restoration Therapy. (Hemianopia homônima e terapia de restauração da visão.) Homonymous Hemianopia and Vision Restoration Therapy. (Hemianopia homônima e terapia de restauração da visão.) Neurol Clin. Fevereiro de 2017;35(1):29-43. doi: 10.1016/j.ncl.2016.08.010.

Bartolomeo P, Thiebaut de Schotten M. Let thy left brain know what thy right brain doeth: Inter-hemispheric compensation of functional deficits after brain damage. (Deixe seu cérebro esquerdo saber o que seu cérebro direito faz: compensação inter-hemisférica de déficits funcionais após lesão cerebral.) Neuropsychologia. Dezembro de 2016;93(Pt B):407-412. doi: 10.1016/j.neuropsychologia.2016.06.016. Epub 2016, 14 de junho.

Seção de tratamento e recuperação:

Siegel J, Pizzi MA, Brent Peel J, Alejos D, Mbabuike N, Brown BL, Hodge D, David Freeman W. Update on Neurocritical Care of Stroke. (Atualização em cuidados neurocríticos de derrame.) Curr Cardiol Rep. Agosto de 2017;19(8):67. doi: 10.1007/s11886-017-0881-7

Hadidi NN, Huna Wagner RL, Lindquist R. Nonpharmacological Treatments for Post-Stroke Depression: An Integrative Review of the Literature. (Tratamento não farmacológico para depressão pós-AVC: uma revisão integrada da literatura.) Res Gerontol Nurs. 1 de julho de 2017;10(4):182-195. doi: 10.3928/19404921-20170524-02. Epub, 30 de maio de 2017

Seção de reabilitação:

Ware R, Moore M. Validity of measures of neurological status used for predicting functional independence in adults after a cerebrovascular accident: a systematic review protocol. (Validade das medidas do estado neurológico usadas para predizer a independência funcional em adultos após um acidente vascular cerebral: um protocolo de revisão sistemática.) JBI Database System Rev Implement Rep. Março de 2017;15(3):603-606. doi: 10.11124/JBISRIR-2016-002978.

Pin-Barre C, Laurin J. Physical Exercise as a Diagnostic, Rehabilitation, and Preventive Tool: Influence on Neuroplasticity and Motor Recovery after Stroke. (Exercício físico como ferramenta de diagnóstico, reabilitação e prevenção: influência na neuroplasticidade e recuperação motora após AVC.) Neural Plast. 2015;2015:608581. doi: 10.1155/2015/608581. Epub, 23 de novembro de 2015. Review. (Revisão)

Hara Y. Brain plasticity and rehabilitation in stroke patients. (Plasticidade cerebral e reabilitação em pacientes com AVC.) J Nippon Med Sch. 2015;82(1):4-13. doi: 10.1272/jnms.82.4. Review. (Revisão)

Seção de fatos e números:

Thrift AG, Thayabaranathan T, Howard G, Howard VJ, Rothwell PM, Feigin VL, Norrving B, Donnan GA, Cadilhac DA. Global stroke statistics. (Estatísticas globais de AVC.) Int J Stroke. Janeiro de 2017;12(1):13-32. doi: 10.1177/1747493016676285.

Seção de pesquisa:

Hu X, Tong KY, Li R, Chen M, Xue JJ, Ho SK, Chen PN. Combined functional electrical stimulation (FES) and robotic system for wrist rehabiliation after stroke. (Estimulação elétrica funcional combinada (FES) e sistema robótico para reabilitação do punho após acidente vascular cerebral.) Stud Health Technol Inform. 2010;154:223-8.

Russo MJ, Prodan V, Meda NN, Carcavallo L, Muracioli A, Sabe L, Bonamico L, Allegri RF, Olmos L. High-technology augmentative communication for adults with post-stroke aphasia: a systematic review. (Comunicação aumentativa de alta tecnologia para adultos com afasia pós-AVC: uma revisão sistemática.) Expert Rev Med Devices. Maio de 2017;14(5):355-370. doi: 10.1080/17434440.2017.1324291. Epub, 9 de maio de 2017.

Hoermann S, Ferreira Dos Santos L, Morkisch N, Jettkowski K, Sillis M, Devan H, Kanagasabai PS, Schmidt H, Krüger J, Dohle C, Regenbrecht H, Hale L, Cutfield NJ. Computerised mirror therapy with Augmented Reflection Technology for early stroke rehabilitation: clinical feasibility and integration as an adjunct therapy. (Terapia computadorizada de espelho com tecnologia de reflexão aumentada para reabilitação precoce de AVC: viabilidade clínica e integração como terapia adjuvante.) Disabil Rehabil. Julho de 2017;39(15):1503-1514. doi: 10.1080/09638288.2017.1291765. Epub, 3 de março de 2017.

Bertani R, Melegari C, De Cola MC, Bramanti A, Bramanti P, Calabrò RS. Effects of robot-assisted upper limb rehabilitation in stroke patients: a systematic review with meta-analysis. (Efeitos da reabilitação assistida por robô em pacientes com AVC: uma revisão sistemática com meta-análise.) Neurol Sci. Setembro de 2017;38(9):1561-1569. doi: 10.1007/s10072-017-2995-5. Epub, 24 de maio de 2017.